Temporada 3 | Episódio 13
FRANZ LISZT

Chegamos no pianista que inventou o recital solo, o poema sinfônico e arrebatou inúmeros corações no século XIX: o pop-star de todo um século, o pianista virtuoso, compositor e professor húngaro Franz Liszt.

Temporada 3 | Episódio 13 | Franz LisztMarimba Podcast
00:00 / 37:07

 SOBREMESA DO DIA 

Concerto nº 1 para piano

Franz Liszt

Orchestra Sinfonica Nazionale della Rai

Enrico Fagone, regência

Martha Argerich, piano

Sinfonia nº 9 em Ré Menor

Ludwig van Beethoven

Versão para piano de Franz Liszt


Cyprien Katsaris, piano

Rapsódia Húngara nº 6

Franz Liszt

Martha Argerich, piano

Grandes études de Paganini, nº 3 - La Campanella

Franz Liszt

"La Campanella" é o apelido dado ao terceiro dos seis Grandes Estudos de Paganini feitos por Franz Liszt. Feito a partir do último movimento do Concerto para Violino nº 2 em Si Menor de Niccolò Paganini, é considerada uma das peças mais difíceis de se executar no piano.

Poema Sinfônico nº 6 - "Mazeppa"

Franz Liszt

Staatskapelle Weimar

Kirill Karabits, regência

Em 1830, Liszt publicou nos jornais de Paris um manifesto em defesa da educação musical com as seguintes pautas:

“Em nome de todos os músicos, da arte e do progresso social, exigimos:

 

A) A realização de uma assembleia dedicada à música sinfônica, dramática e religiosa a cada cinco anos. As melhores obras em cada uma dessas três categorias serão executadas diariamente durante um mês no Louvre e serão, posteriormente, compradas pelo governo e publicadas à custa deste. Em outras palavras, exigimos a fundação de um museu musical.

 

B) A adoção de ensino de música nas escolas primárias, sua extensão a outros tipos de escolas e um movimento para a implantação de uma nova música de igreja.

 

C) A reorganização do canto coral e a reforma do cantochão em todas as igrejas de Paris e das províncias.

 

D) Encontros gerais das sociedades filarmônicas, inspirados nos grandes festivais de música da Inglaterra e da Alemanha;

 

E) Montagens de óperas, concertos sinfônicos e de música de câmara, organizados de acordo com planejamento traçado segundo nosso artigo prévio sobre os conservatórios;

 

F) Uma escola de estudos musicais avançados, que atue separadamente dos conservatórios, dirigida pelos mais eminentes artistas – uma escola cujos tentáculos estendam­-se a todas as cidades do interior do país por meio das disciplinas história e filosofia da música.

 

G) Uma edição de baixo custo, para venda a preços acessíveis, das mais importantes obras dos novos e dos antigos compositores, desde a Renascença até a atualidade. Estas partituras abarcarão o desenvolvimento da arte em sua totalidade, da canção folclórica até a Sinfonia coral de Beethoven. Esta série de publicações como um todo será chamada O Panteão da Música. As biografias, os tratados, os comentários e os glossários que acompanharão estas partituras formarão uma verdadeira “enciclopédia da música”.